O empreendedorismo é o principal fator promotor do desenvolvimento econômico e social de um país. Está relacionado à capacidade humana de sonhar, acreditar e realizar. Seja por oportunidade ou necessidade, o Brasil, estatisticamente, é um país de empreendedores: a cada dez brasileiros em idade adulta, quatro possuem um negócio ou estão envolvidos com a criação de uma empresa (GEM, 2015).

Um fator importante que mudou a maneira de ser, pensar e empreender foi a inovação tecnológica. A partir do binômio redes de comunicação (linhas móveis de telefone) e tecnologia da informação, principalmente computadores portáteis e internet, foi possível a criação de novas formas de comunicação a longa distância, quebrando as barreiras geográficas entre indivíduos, em âmbito global. As consequências foram muitas, entre elas a necessidade do surgimento de novas maneiras, exigências e direcionamento de trabalho. Graças à tecnologia, hoje, há uma flexibilização da necessidade de espaço físico fixo para a realização de muitas atividades laborais. Empresas adotam o trabalho em casa (home office) como “benefício” ao colaborador; o empresário pode saber de detalhes de todas as áreas de sua empresa a partir de um computador portátil, fora da sede física; pode-se assinar contratos através de um telefone móvel, como um só clique no campo “eu aceito”.

A globalização e o momento atual

Enfim, hoje, o “escritório” pode ser virtual, e ter o tamanho de um celular. Por meio da tecnologia, permitiu-se também, a consolidação do processo de integração econômica, cultural, social e política, também chamado de fenômeno da globalização.

Nesse ínterim, o consumidor-cliente ganhou um poder extraordinário, que foi a comodidade para fazer o seu benchmark, não só de preço mas também de qualidade, mais uma vez, através de poucos cliques em seu computador portátil e em qualquer lugar do mundo. Com essa facilidade, cresceu a demanda da sociedade em termos de rapidez e qualidade em produtos e serviços, fator que nivela a concorrência em um patamar elevado, mas dificulta muitas vezes o pequeno empreendedor a manter uma empresa saudável e competitiva no mercado.

E como vencer esse desafio diante de nossa economia, que hoje está abaixo do crescimento esperado? Como manter a competitividade e ainda ter lucratividade nos negócios? Apesar dos reinvestimentos constantes serem essenciais para o crescimento e sustentabilidade nos negócios, o que vemos, de modo geral, é uma reestruturação econômica de empresas, de todos os portes, com operações estratégicas alinhadas comas novas realidades de mercado, de modo a garantir a sobrevivência e sustentabilidade financeira das mesmas.

Diante de um cenário em que a tecnologia tornou-se uma grande aliada de todas as partes envolvidas, a produtividade e a exigência do mercado aumentaram e o tempo tornou-se relativo e flexível (mas ainda limitado a 24horas por dia), empresas de diversos tamanhos e empreendedores dos mais diversos nichos, passam a adotar os benefícios de um modelo de negócio que permite viabilizar sonhos, desburocratizar processos, profissionalizar o serviço administrativo do escritório e oferecer eficiência para e alcançar o tão buscado sucesso: os escritórios virtuais.

Benefícios dos escritórios virtuais para empresas e empreendedor no cenário atual

Segundo o Sebrae, os ESCRITÓRIOS VIRTUAIS são espaços alugados onde empresários encontram todos os serviços e infraestrutura necessários para o desenvolvimento da área comercial de seu negócio, sem que, para isso, precisem despender grandes quantias em dinheiro para montar uma estrutura própria. A palavra “virtual”, significa que a infraestrutura e/ou a atividade laboral é descentralizada, fora da área física da empresa. A estrutura interna citada, contempla todos os itens que um escritório comercial precisa, como recepção, sala de espera, sala privativa, decoração, mobiliário, equipamentos eletroeletrônicos, internet de alta velocidade, copa, coffee break, salas de reunião e de treinamentos, de diversos tamanhos, de acordo com a necessidade do usuário.

Os benefícios não terminam por aí, pois atrelados ao “pacote” há colaboradores devidamente treinados para a manutenção do escritório, que são copeira, serviço de limpeza, equipe de manutenção, recepcionistas e atendentes telefônicas. O conceito por trás deste modelo de negócio, é permitir que custos, com a infraestrutura de qualidade, sejam compartilhados. Ao receber clientes em um escritório tradicional, é importante possuir salas de reuniões equipadas e que ofereçam recursos tecnológicos para impressioná-los e atendê-los bem. Ocorre que, quando essas salas estiverem ociosas, por exemplo, o custo permanecerá o mesmo. Com os EV, os usuários acessam uma infraestrutura robusta e que só possuiriam em escritórios próprios, caso houvesse grande investimento. Trata-se de uma escolha para, em sua maioria, micro e pequenos empreendedores que querem realizar o sonho de empreender, com baixo custo, mantendo o profissionalismo e a qualidade de serviço de um escritório estruturado.

Desde a penúltima crise mundial (2008/2009), houve um aumento exponencial desse modelo de negócio. Hoje, estima-se que existam, em funcionamento no país, cerca de mil espaços desse tipo, sendo 25% deles na cidade de São Paulo. A demanda crescente pelos ESCRITÓRIOS VIRTUAIS está no próprio DNA da concepção moderna e geração de valor para aqueles que utilizam este serviço. Hoje, este modelo de negócio corrobora para o fomento ao empreendedorismo, uma nova tendência dos empresários em concretizarem um novo estilo de vida sem base física, uma via de negócios conectada ao dinamismo da atualidade, sustentável financeira e ecologicamente.

Escritórios virtuais e base física

Aos que precisam de uma base física integral, os ESCRITÓRIOS VIRTUAIS trazem o conceito de aluguel de SALAS COMERCIAIS dentro da estrutura física dos ESCRITÓRIOS VIRTUAIS com toda a facilidade e administração para escritórios que empresas e empresários precisam, e vai ao encontro das necessidades de maximização do tempo e cortes de despesas do empreendedor para se manter no mercado atual com lucratividade, mas com a qualidade de estrutura de escritório.

Ambos os modelos, entretanto, trazem em conjunto a certeza de que a forma de se trabalhar mudou e que, na era da conectividade, compartilhamento, praticidade e corte de custos (mantendo a qualidade de atendimento e estrutura) são indispensáveis para empresas e profissionais.

Espero que este conteúdo tenha sido útil.
Sucesso nos negócios!
Abraços, Viviani Cabral- COO